quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Snow

Sei que eu estou devendo o post da Philadelphia e tudo mais, mas esta é uma edição extraordinária: tudo porque demorou, mas nevou aqui em Jersey! Teve uma nevezinha mixuruca em novembro, mas não contou. Eu queria VER a neve cobrindo os telhados das casas, os carros, as árvores... tudo bem poético na teoria, mas na prática a neve ainda vai encher muito o saco pra dirigir, sair na rua, levar as kids pra lá e pra cá... but excuse me, porque eu ainda tô empolgadinha? Agora é hora de sair tirando 20873 fotos, fazer raspadinha de neve, anjo de neve, guerrinha de neve! Eu deixo pra começar a chamar a dita cuja de "merda branca" só depois. Agora, fotos e vídeo pra encerrar o falatório... Beijos!
(P.S.: A Juli de quem eu falo no vídeo é minha irmã... que tá chegando pra fazer skibunda aqui no backyard! Uuuuh!).


video

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Invasão Z... ativar!

E aí, pessoas? Tudo bem? Tem alguém aí ainda?

Então, a preguiça comanda mas vou fazer um post-resumo das últimas semanas. Pra começar, já dá pra dizer que o mês de novembro foi bem movimentado e cheio de emoções (ooooh!): meu aniversário, 6 meses de USA, despedida da dude Dre e, claro, a tão esperada visita do Mr. Z.

Sim, meu amoreco veio passar 2 semanas aqui comigo, e vou te falar: nada como ter por perto, depois de 6 meses, alguém com quem vc pode ser vc mesmo, alguém com quem vc se importa e que realmente se importa com vc (apesar de todos os chiliques e frescurices), resumindo... como é bom ter por perto alguém que você realmente ama. Caralho, muito bom isso. Eu estava à beira de um ataque animal de nervos antes de ele vir, cheguei mesmo em pensar em voltar pro Brasil antes da hora e etc. Mas aí nos divertimos tanto, e conversamos tanto, e namoramos tanto, e aproveitamos tanto, que eu dei um chega pra lá na tristeza e tudo ficou ótimo. Claro que depois de uns dias que ele tinha ido embora eu fiquei meio mal, me sentindo sozinha de novo, mas isso é completamente normal. Nada que a lembrança de subir o Empire State Building no dia do meu aniversário e ver a Big Apple toda iluminada ao lado do Sr. Cabeça de Batata não apague. ;-)

Tava um frio... mas quem se importa?

Quanto ao Thanksgiving, foi tudo muito bem, obrigada. Fomos pra casa da irmã do meu host e jantamos num grupo de umas 30 pessoas super receptivas, enchemos a pança, conversamos com uma galera agradabilíssima... foi tudo o que um típico feriado norte-americano deveria ser! E ainda teve o bônus de a cabaça aqui dirigir, em pleno dia de Thanksgiving, no meio de Manhattan, pra cruzar NYC e chegar em Long Island... maluco, pensa numa pessoa tensa e perdida! Mas no final, entre mortos e feridos salvaram-se todos. Menos o peru. :-P

E quanto ao último fds, decidi me mandar pra Philadelphia pra não ficar aqui em casa sozinha, já que a host family resolveu viajar de última hora. Fui com uma au pair croata super gente boa aqui do meu cluster, a Josie, que passou no teste da trip, hehehe. Philly merece um post à parte, mas tudo o que posso dizer no momento é: Philadelphia rocks, babe!

Agora vou voltar à minha vida de ócio e libertinagem (hã?), na contagem regressiva pra nova invasão Z: 11 dias pra sis Z. chegar aos USA! U-hu!! Isso é bom demais ou o que, minha senhora??

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Rollercoaster


Depois desse sumiço todo, não cola mais ficar dando desculpas, né? E como a preguiça comanda pra escrever um post gigante, só tenho algumas considerações a fazer:

- Crise dos 6 meses com inferno astral (meu aniver é dia 19/11) é sinal de uma coisa muito grave: MODE FÚRIA DO DRAGÃO ON.

- Não adianta insistir, mesmo que você tenha uma lista de objetivos a serem cumpridos aqui, muitas das suas expectativas vão ser frustradas por um ou outro motivo. O negócio é, como eles dizem aqui, "build a bridge and get over it". Nas minhas palavras, atualizar a listinha, hehehe.

- O outono é o fenôneno natural mais lindo do universo. E ponto.

- Obaaaaama, ê, ô, Obaaaaaaama, ê, ô.

- Demorei pra perceber isso, mas NYC vai muuuuito além dos pontos turísticos e deveria ser recomendada como centro de terapia de au pairs em crise. E meu próximo sonho de consumo é um apê no Greenwich Village, com uma varanda pra eu tomar Guinness no fim da tarde.

- Host é host, amigo é amigo, mané é mané.

- Tem horas que parece que a gente não vai agüentar – de saudade, de raiva, de revolta, de frustração, ou de tudo junto –, mas agüenta, sempre agüenta. Nessas horas eu lembro de um programa do Sobrinhos do Ataíde (veeeelho) que tinha o Wilber, um moleque que se fodia todo mas sempre voltava às histórias vivo: "E Wilber, sem uma perna, com os dois olhos roxos e sem a orelha esquerda, mas ainda vivo...". E é assim que tem que ser, não é?


- E agora, com licença que Mr. Z. está vindo por aí. Vou ali um minutinho ser feliz e já volto.


quarta-feira, 24 de setembro de 2008

I have my hands full...

Aulas de inglês 3 vezes por semana, francês aos sábados, aula de ginástica (rááá!), freela novo na área e 196736 pepinos pra resolver numa semana só. Post novo por enquanto? Neeeeeem.

Dá-lhe 5 meses, é só isso o que tenho a dizer. ;-)

Quem também tá perdido levanta a mão!!!

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

(Des)aprendendo inglês com Glória Maria

Eu não sei vocês, mas eu sempre rachei de rir com o inglês megatrash do Amaury Jr. e da Glória Maria, ex-garota do Fantástico. Aí, semana passada, eu achei essa entrevista, que só confirmou tudo o que eu já adorava na falta de noção dela.

A minha parte preferida, sem dúvida, é esta:

Aula de Inglês

Uma vez por semana, Glória faz aulas de inglês para se manter afiada na língua. Jogada no sofá da sala de seu apartamento, no Leblon, ela pergunta à professora: "Como se diz ‘muito mais bonito que ...'?". Glória quer contar à "teacher" detalhes sobre o ator americano Todd Rotondi, com quem teve um rápido affair em junho. "É "better good-looking guy'", responde a professora.

"Better good-looking guy"? Hahahahaha... Meu... onde foi que a Glória Maria achou essa professora? Alguém me dá o telefone dessa mulher pra eu denunciar pra Associação de professores de inglês agora mesmo??

Aí eu penso que se eu, com 4 meses de USA, consigo ter um inglês menos tabajara do que a Glória Maria, que roda o mundo desde que a Globo era só mato, eu tô é no lucro.

E vem que vem, fim de semana!!!

sábado, 6 de setembro de 2008

Cof, cof, cof... tirando a poeira.

É, eu sei... prometi voltar no fim de semana retrasado (que vexame) com novidades, mas a primeira semana pós-férias foi beeem mais corrida do que eu imaginava. Essa vida dupla de au pair / freela ainda me mata (mas a minha conta bancária no Brasil tá começando a ficar gordinha, so let's quit whining ;-)

Então, vamos separar os assuntos por tópicos. Já que é pra ser metódica, é melhor fazer isso com classe.

* Lembram da festa mexicana que eu disse que rolou aqui em casa: Então, aqui vão algumas fotos. Enchemos a pança de quitutes mexicanos, tomamos vááárias margaritas, dançamos, rimos, perdemos o naipe...

Backyard devidamente decorado pra festança.

Mesa das au poors: Lira Le, Nadia, Driiiiiza, Ània and me.

A culpa foi toda dela!! (foto propositalmente na rotação errada, pra ilustrar como ficamos enxergando o mundo depois de entornar vááárias doses).

** E aí eu tive 2 semanas off no fim de agosto. Na primeira delas, decidi passar 4 dias em Washington DC com a Mari Patrocínio. Ela contou superbem tudo (ou quase tudo, hahaah) o que aconteceu lá neste post. Assino embaixo de tudo o que ela disse: a cidade é muito limpa, barata, organizada, imponente... o que mata é a falta de árvores e a necessidade de caminhar por várias e várias quadras - mas, tirando isso, foi tudo ótimo. Inclusive, o hostel em que ficamos é o HI Hostel, muito bem localizado e que fez a graça da nossa trip (ok, galera do hostel, quero desconto na minha próxima hospedagem pelo merchan!). Ah, e a minha xará é uma garota ótima, muito inteligente, alto-astral e não tem medo de pagar mico - o que é um fator muito importante pra uma pessoa entrar pro meu rol de amigos, hehe. Agora, às fotos.

Nós e o Capitólio.

Casa Branca e os habituais protestos contra o governo Bullshit.

Sim, eu adoro bibliotecas - e a do Congresso, em DC, é uma pérola!

Fota de turista. :-P

Estátua de Lincoln no Lincoln Memorial (duh!), super imponente.

Brasil, Chile, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Argentina e Inglaterra tomando um chops no pub irlandês. We're international, babe!

*** E também teve continuação a novela da minha carta de habilitação. Após 2 testes escritos e 2 testes práticos (sim, bombei no primeiro, bééé!), agora já tenho um cartãozinho que me permite dirigir legalmente aqui no estado. Tá com uma foto horrorosa, mas é meu e ninguém tasca! Depois de tanto ralar pra conseguir a tal da NJ license, só faltou eu dançar o créu pro pessoal folgado do DMV... Rá!

**** E também tem a minha parte do diário de bordo sobre a suuuuper trip pro Canadá com a Dreza. Ela já contou um pouco da viagem aqui, mas o lado B já é assunto pra um próximo post... e eu prometo não demorar 1 mês pra voltar com ele prontinho!

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

De volta

Oi, pessoas!

Depois de muuuito tempo sem dar notícia, só voltei pra mandar um sinal de vida. Tô viva, com todos os órgãos funcionando, suuuper animada e só posso dizer uma coisa sobre as duas últimas semanas: se Washington DC é foda, o Canadá é fodaço! :-)

Depois eu volto com fotos e histórias, que eu vou curtir o fim de semana um minutinho e já volto.

Beijo!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Tem alguem ai??

E ai que eu voltei a escrever num teclado sem acentuacao. Meu computador deu pau e estou usando ora o PC da biblioteca, ora o da minha host. Oh, ceus. Que dureza que eh pra uma revisora ficar escrevendo sem acento, mas tudo bem, heheh.

Resumo da ultima semana: planejamento das proximas ferias (2 semanas, u-hu!), inscricao pro curso do fall (acho que agora vai) e muuuuuito jogo de cintura pra nao enlouquecer com as neuras idiotas dessa minha cabeca dinossauro.

Na ultima segunda fui pra NYC resolver umas coisas pra minha viagem, e foi uma mistura bem engracada de sensacoes. Uma parte delas foi muito boa, porque eu sai de casa com roupa de gente grande, peguei o trem no horario de pico e fui parar no centrao de NYC, ou seja: deu pra voltar a ter o gostinho de sair de casa e ir trabalhar num emprego de verdade, sendo tratada como gente que pensa (pelo menos teoricamente). Deu ate saudade de escutar a voz fanha do tiozinho do metro quando eu chegava no meu destino: "Proxima estacao: Consolacao". Mas pra quem jah teve saudade ate de ouvir a musica do caminhaozinho do gas de sabado de manha... ("Sheeeeelll gaaaaaas..."). Hahaha, que vexame.

A parte estranha foi constatar que Nova York durante a semana eh muito, mas muuuuuuuuito mais caotica do que Sao Paulo - e olha que eu ja estou bem acostumada com a bagunca de Sampa. Acho que deve ser pela quantidade de andaimes nas calcadas, ja que metade da cidade esta em reforma, e tb pelo fato de que as ruas sao tomadas por taxis amarelos, o que ja eh chamativo o bastante. So sei que prefiro voltar pra la durante o fim de semana, com tudo mais calmo, espaco pra andar nas calcadas... acho que eu to sendo influenciada pela vidinha pacata do suburb, hahahaha.

Bom, como nao tenho mais nada de interessante pra contar e o importante eh o que importa, vou deixar o post por aqui. Ah, e as fotos da festa mexicana que eu falei no outro post ficam pra proxima, ja que as fotos estao todas no meu falecido micro. :-(

E que venha LOGO o fim de semana!

Beijocas,

Mari Z.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Tequila!

E aí que o fim de semana foi big, cansativo, mas muito bacana. Vamos aos fatos da semana:

- Passei, finalmente, no exame escrito do DMV. Eu estava enrolando há algum tempo pra fazer os testes, e há umas 3 semanas eu tomei coragem e fui até o DMV office em Elizabeth. Não tinha estudado praticamente nada, só dei uma lida beeem por cima no manual. Além disso, só depois de chegar ao DMV fui notar que tinha esquecido minha permissão em casa, e sem ela não teria como fazer o teste. Depois de dirigir por 1 hora num trânsito do cão e num calor infernal, eu deveria ter me tocado que era melhor voltar pra casa e fazer o teste em outro dia, de cabeça fria, certo? Errado. Eu tenho a péssima mania de não conseguir deixar as coisas pela metade, e resolvi fazer o teste assim mesmo. Resultado: 11 questões erradas e bééé... tive que voltar depois de 1 semana pra refazer o teste. Aí eu estudei o manual de cabo a rabo, grifei as partes mais importantes, coisa linda de se ver. E dessa vez o resultado foi BEM mais animador, aleluia!! E que venha o road test.

- Neste fim de semana teve a festa de aniversário da minha host aqui no backyard. Como ela viaja muito a trabalho e só na semana passada ficou 4 dias fora de casa, eu fui encarregada de fazer compras, encomendas e preparar várias coisas pra festança. Claro que eu não reclamei, pelo contrário: adoro me sentir útil e correr atrás de preparação de festas é comigo mesma. ;-) E vou te dizer, a festa foi MUITO boa. Comida mexicana, bebida mexicana (com direito a vááários shots de tequila, maquininha de margarita e tudo mais), gringos bêbados dançando sozinhos... hahaha. A Dreza, a Lira e a Nádia não me deixam mentir, foi super divertido! Sem contar que ocasiões como essa me fazem pensar que eu escolhi a família certa pra mim: mesmo que as crianças não estejam sempre bem comigo, eu não tenho absolutamente nada a reclamar sobre os meus hosts. Eles são ótimos, atenciosos, bacanas e como sabem se divertir!

- Ontem, depois de curar a ressaca de sábado (abafa), fui ao cinema assistir "Stepbrothers", o novo filme do Will Ferrell. Gente, fazia tempo que eu não ria tanto. Nonsense e muito, muito engraçado. Confiram! ;-) E semana que vem vou voltar à telona pra assistir "Pineapple express", que parece ser ótimo e tem na trilha sonora "Paper planes", da M.I.A., que é a minha música preferida dos últimos dias.

Acho que é isso, pe-pessoal! Depois eu posto uma foto da festa pra vcs terem uma idéia de como foi. ;-)

Beijocas!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Geral

Post rapidinho só pra dar sinal de vida.

Esse fds não foi cheio de pirotecnia, mas foi bacana na medida que deu. Na verdade, o sábado foi bem marromenos, porque trabalhei durante o dia, na festa de aniversário do meu menino, e à noite fiz um extra (bem lucrativo, por sinal) cuidando das 3 kids de uma vizinha das 6pm às 12am. Praticamente só assisti televisão e enchi a pança com os snacks alheios durante o extra, então o balanço não foi tão mal assim. :-P

Domingo eu planejava ficar em casa moscando, mas minha host family saiu um pouco antes do almoço e aí eu pensei: se tem uma coisa que torna o domingo um dia hiper depressivo - além dos minutos finais do "Topa tudo por dinheiro", que nem existe mais - é almoçar so-zi-nha. Tipo, eu sei que a minha família e a família do meu namo estão lá no Brasa numa mesa cheia de gente, e eu aqui comendo comida requentada, sozinha? No way, José. Na hora eu peguei o telefone e liguei pra Dreza, que estava moscando tanto quanto eu. Resultado: almoçamos saladinha do Wendy's, conseguimos um lugar que consertou meu óculos querido (sentei em cima dele durante a semana, pode?), filosofamos sobre a vida, falamos besteiras e fechamos o dia com chave de ouro assistindo "Batman - The Dark Knight" no cinema de Westfield.

Sobre o filme, o que tenho a dizer é: ói, ói, ói, o Coringa é meu herói. O Batman pode até ser legal, mas ele vira uma mocinha perto do Joker interpretado pelo Heath Ledger. Até que enfim fizeram o Coringa voltar a ser psicopata, como nas histórias mais antigas do Batman, porque nos últimos filmes do Homem-morcego o Joker estava mais pra Vovó Mafalda e não iria combinar nada com o tom mais sombrio do filme novo. O bom é que só dava eu e a Dreza gritando "u-hu" e "noooooossa" e jogando os bracinhos pro ar quando o Coringa metia a porrada na geral. Quem aqui falou em vergonha? É por isso que dá pra perceber a sintonia AM-FM que a gente tá começando a ter: nenhuma das duas tem vergonha de pagar mico em público, além do que as nossas idéias estão sempre na mesma vibe e eu tenho menos problema em dividir colchão com ela do que com o ilustríssimo Mr. Z: pelo menos ela não me chuta durante a noite e não tenta me agarrar quando eu tô a fim de dormir (ainda bem, hahahahahaha). Ficou gay pacaraleo isso, mas é verdade! :-P

Taí, ó, falei que o post ia ser rapidinho e acabei falando um monte. É, eu não sei falar pouco mesmo!

Hasta,

Mari Z.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Hiperventilando

Todo mundo aí, ainda?? Espero que sim, hehehe.

Esta semana fez 3 meses que estou aqui nos EUA. Um balanço positivo? Sim, com certeza. Já fiz bastante coisa por aqui, comparado com o que eu faria no mesmo período se estivesse no Brasil. Mas ainda tenho muuuuuuuito a fazer, ah, se tenho. Sabem aquela listinha dos "must do's" que eu disse que tinha feito? Então, eu tenho é que shake my booty pra fazer ela acontecer, senão eu vou ficar de mal de mim mesma. :-P

Mas o que eu queria mesmo compartilhar com vcs, minhas colegas de trabalho ("mas oeeeemmm!!"), são as coisas que eu aprendi durante esse período aqui. Eu precisei vir até os Estados Unidos pra descobrir que...

... valeu muito a pena me matar de estudar inglês nos últimos anos. Tenho, lógico, MUITO pra melhorar (senão eu não estaria aqui), mas eu já me livrei de cada fria por conseguir falar um inglês mais ou menos, que nem te conto!!

... economia e au pair são palavras gêmeas siamesas. Claro que eu já sabia que teria de economizar, mas não sabia exatamente como. Truques pra fazer os trocos durarem mais tempo dentro da carteira: pedir água em vez de suco nos restaurantes (é de torneira, mas é grátis e vem com gelinho); recorrer a todos os dolar-menu da vida, seja do Mac, Wendy's, Burguer King, KFC e oraioqueoparta; vasculhar as araras nos cantos obscuros da Target e TJ Maxx (foi assim que consegui achar blusinhas lindas por U$ 2, rá!). Tem beeem mais coisas, mas depois eu dedico um post só pra isso. ;-)

... se um diálogo com americanos não passar de um entusiasmado "Hi!" / "How are you?" / "I'm good, thanks, and you?" / "Good", o problema não é comigo. Muitos deles não conseguem desenvolver uma conversa decente, simples assim.

... cuidar de crianças full-time e morar com elas pode ser uma experiência mais estressante que fazer compras de Natal na 25 de março. Às 5 horas da tarde do dia 24 de dezembro. Com Calypso tocando no último volume como trilha sonora.

... birra infantil pode estragar completamente o seu dia. Mas que um "I'm sorry" realmente arrependido e com olhinhos de cachorrinho da Disney pode trazer o seu bom-humor de volta em segundos.

... em alguns momentos a sua melhor companhia pode ser você mesma. E é bom se acostumar a isso. ;-)

... 98% das coisas que meus pais me falavam quando eu era criança devem estar certas, porque eu repito todas elas pras minhas host kids (menos a parte que se você envesgar o olho e bater um vento, você fica vesgo pro resto da vida. Isso eu também faço direto, mas abafa, hehehe).

... "Cabeça vazia é oficina do diabo" é um ditado mais do que perfeito pra quem tem um time off considerável. Por isso é que eu tento tirar proveito de tudo o que ocupe o meu tempo: ir à biblioteca, à academia, estudar inglês, caminhar pela vizinhança, ir à reunião dos alcoólicos anônimos... ops.

... não importa se no Brasil você é irmã, amiga, namorada, profissional, sabe rebolar e bater bolo ao mesmo tempo. Aqui, em maior ou menor grau, você será sempre lembrada como a limpadora de bunda, and that's it. A parte boa disso? Encarar quem te acha tapada com um sorrisinho de canto de boca e pensar consigo mesma "Você nem desconfia, jerk, mas eu sou 1000 vezes melhor do que você". (Y)

... dar risadas até doer a barriga é uma das melhores terapias que existe e ajuda a manter a sanidade. E estar cercada de gente que provoca elas é algo que não tem preço (tks, Máfia!).

... nunca mais vou recusar uma comida que minha mãe fizer. Nem se for bife de fígado com chuchu refogado e suco de maracujá quente. Juro!

... saudade é ruim, machuca, mas nada como ter alguém de quem você pode sentir falta e pra quem você pode voltar depois de cumprir sua missão.

Bom, mas o importante é o que importa, e no final não há de ser nada - como bem diz a Cori Coração de Melão. E que venham os próximos 9 meses!

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Mari Z. tá virando emo...

Sim, podem falar que eu sou uma desnaturada. Fiquei um tempão sem dar notícias por vários motivos, entre eles a preguiça e o desânimo. Mas agora deu uma coragem básica de vir aqui postar, então vamos lá.

Esse post vai parecer meio sem pé, sem cabeça, mas eu também ando meio sem pé e sem cabeça ultimamente. Não, eu não virei um ser mitológico ou personagem de folclore brasileiro, mas a verdade é que eu ando totalmente perdida nas últimas semanas. Ando me sentindo sozinha, deslocada, peixe fora d´água total. A homesickness tá batendo como nunca e uns pensamentos idiotas ficam aparecendo na minha mente. Aí eu percebi que a melhor coisa pra não enlouquecer é me manter ocupada e sair um pouco da frente do computador (daí a falta de posts). Resultado: comecei a fazer academia, aceitei fazer uns extras pra arrecadar fundos pras minhas próximas férias, estou estudando inglês 3 horas por dia, assistindo filmes como nunca, freqüentando mais a biblioteca daqui de Maplewood e tentando ficar fora de casa o maior tempo possível. Acho que essa estratégia tá começando a funcionar, let's see. ;-)

Mas isso não é importante. O que importa é que o Banco Real dá 10 dias sem juros no cheque especial - e que daqui a alguns dias eu completo 3 meses aqui. É, José... 3 meses, ou seja, já vou cumprir 1/4 do meu tempo aqui. Como eu disse outro dia pra minha amiga Juliana - ex-au pair, ex-colega de faculdade e comparsa das mais bacanas -, eu fico feliz que o tempo esteja passando rápido, porque tenho motivos de sobra pra querer voltar logo pro Brasil, mas também me assusta ver que as folhinhas do calendário estão caindo depressa, porque ainda tenho muito o que fazer por aqui. Como aproveitar ou não o que os USA têm pra me oferecer só depende de mim, e como "metódica" é meu nome do meio, fiz uma lista de coisas que quero fazer, lugares que quero conhecer e metas que quero cumprir aqui. Já risquei alguns dos itens, e agora que organizei meus pensamentos estou começando a me sentir mais aliviada (ai, que nerd isso, hehehe). Pra conseguir fazer o que eu realmente quero e preciso fazer por aqui, vou ativar meu mantra superpoderoso "Foco, Mariana, foco!!".

E é isso. Tem hora que é mais fácil, tem hora que é mais difícil, tem hora que o tempo passa correndo e outras em que ele teima em se arrastar. Mas isso é uma coisa que acontece aqui, no Brasil, em qualquer lugar. E fazer as coisas andarem só depende das nossas próprias atitudes - e agora chega, que isso aqui não é blog de auto-ajuda :-P. Fui!!

Beijomeligaquetôcarente,

Mari.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

É Massachusetts na cabeça, minha senhora!

Oiiiiii, gente!

Primeiro post pós-férias. U-hu! Então, gente, senta que lá vem história. A Gi contou um pouco da nossa aventura em terras massachusettianas (acabei de inventar, rá!), então não vou ficar enrolando muito. Só falar que a nossa semana de férias foi do caralho!!

Contrariando todas as expectativas, descobrimos que Boston é uma cidade liiiiiiiiinda e com muita coisa pra se fazer, sim, senhor. Ficamos hospedadas na casa da tia Judy, que na verdade é tia da minha host mas foi adotada por mim e pela Gi, hehe. Ela mora em Peabody (uma cidadezinha a 30 min de Boston e do lado de Salem) e foi muito, mas muuuuuuuuito acolhedora, levou a gente pra lá e pra cá, ajudou pra caramba, fez coisas de mãe, mesmo. Beijo pra tia Judy!

Resumindo a semana, passamos pelos pontos turísticos básicos de Boston: Boston Common e Public Garden (o parque e o jardim público mais antigos dos EUA, simplesmente lindos!); Fanueil Hall e Quincy Market (tipo o "mercadão" de Boston); Copley Square, que tem a Trinity Church, a Boston Library e a Hancock Tower; Science Museum; Museum of Fine Arts... meu, é coisa pra caramba, sem contar a arquitetura das casas, que são super antigas e têm todo um ar de história... Boston é absolutamente linda, me encantei. Também fomos pra Cambridge, visitar a Harvard University. Jesuis, que emoção pra uma nerd como eu passear naquela universidade onde só os crânios mais crânios conseguem entrar, hehehe.

Além de Boston, passamos também por Salem (a cidade das bruxas), Portsmouth, em New Hampshire, que é tipo uma cidadezinha costeira, e Rockport. Essa última merece um comentário à parte - a Gi que o diga, pq ela não aguentava mais ouvir eu dizendo que tinha me encantado com Rockport, heheh. Então, sabem aquelas cidadezinhas de faz-de-conta, com casinhas coloridas, lojinhas fofas e etc? Rockport é exatamente assim. Na verdade a gente foi pra lá pensando em pegar uma praia, mas como São Pedro resolveu não colaborar durante vários dias da semana, acabamos ficando na cidade e, na boa, não rolou um arrependimento, não. Tirei umas trocentas fotos e, mesmo com o céu cinza, Rockport provou ser um lugar tão cute que fez até as minhas fotos tabajara ficarem boas. Depois dessa propaganda, fica aí a dica pra quem for até Boston: mexa seu traseiro e pegue um trem com destino a Rockport. Só leva meia horinha e vai render ótimas fotos e fazer um bem danado pro seu espírito. ;-)

Aí chegou o sábado, o dia do show do Pearl Jam. Depois de a gente se perder na highway várias vezes (pq como guia eu sou uma ótima revisora), chegamos a Mansfield e aí, minha senhora, foi só alegria. Ver a minha banda favorita ao vivo aqui na gringa foi lindo, lindo, liiiiiiiiiindo - só fiquei meio perdida no começo, pq as músicas estavam meio lado B pro meu gosto e eu não sabia as letras inteiras. E show na gringa é assim: ou vc sabe cantar a música, ou fecha o bico, pq fazer embromation aqui é queima filme total, hehehe. Mas aí eles tocaram as minhas preferidas e ficou tudo muito bem, valeu cada centavinho esse show! Foi ótimo pros meus ouvidos, pro meu humor, e pra desmistificar a idéia de que americano não agita em show (né, Dreza?): a gringaiada se empolgou MUITO, todo mundo cantou junto, foi lindo demais.

E agora é hora de voltar à vida real, hehe. O saldo da semana? Comprovei que Boston é muito bonita - e os homens de lá também, ô terra boa! -, adorei o pedacinho da Nova Inglaterra que conhecemos, descobri que a-do-ro sopa de molusco (que aqui eles chamam de "clam chowder" e é boa demais), assisti um show fodástico em terras yankees e tive uma companhia pra lá de bacana, com quem adorei passar as férias "togethinho", hahaha.

E é isso, galera! Agora é só rezar pra sexta-feira chegar logo, e vamo que vamo pro 4 de Julho!!


Pegando no pé do tio Harvard - literalmente.

Na Boston Public Library.

A foto ficou uma droga, mas lá estava o Pearl Jam, pra minha alegria!

Num dos jardins de Portsmouth, New Hampshire.

Bruxinha bonitinha da vassoura de capim. :-D

Rockport, a cidade de faz-de-conta.

Rockport.

Rockport, de novo. Tá bom, eu paro. Prometo!!

Geral da Fanueil Hall.

New England Coffee, eu e meu leve estrabismo.

Nós no Boston Public Garden.

O novo no velho, o velho no novo: Trinity Church e Hancock Tower.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Eu voltei...

E aí, negada?? O blog já estava pegando um pó lascado, então resolvi passar pra dar notícias do além...

Então, da última vez que eu postei pra cá, aconteceu coisa pra caramba. Lógico, se não acontecesse nada em 20 dias sem postar eu já estaria putíssima... Entre os acontecidos, duas idas a NYC: uma pra ver a Estáuta da Liberdade e Ellis Island - passeio pra lá de recomendado e a preços módicos (viu, Line??) - e outra pra ir ao Metropolitan Museum - outro passeio óóótimo, mas um pouco cansativo pra quem quiser apreciar obras de arte de todas as épocas em um dia só (ah, e no final deste post, um vídeo educativo sobre a importância de não se falar sobre o pipi alheio em público).

Ah, teve também um mini tornado aqui em Maplewood. Mas hein?? Então, gente. Depois de vários dias com um calor de rachar coco, lógico que rolou uma chuva básica. Mas a "chuva básica" aqui derrubou uma porção de árvores, deixou várias casas e carros zoadíssimos e fez a região entrar em estado de emergência. Em conseqüência, a cidade virou uma zona e as crianças ficaram 3 dias sem ir na escola = Mari Z. trabalhando full time por 3 dias. Por Nossa senhora das crianças mimadas, foi uma boa oportunidade pra eu repensar a minha vontade de ter filhos. E aí juntou tudo na mesma semana: as crianças ficando em casa o dia todo, o freela pra entregar (graças a Deus, já foi pra editora e espero que não volte!), o meu host pressionando pra eu tirar a carteira de motorista de NJ, o replanejamento das minhas férias, a notícia de que o curso que eu ia fazer no college foi cancelado... haaaaja coração!!

Bom, mas o importante é o que importa. Ou não. Então, pelo menos agora a situação do tornado já passou, entreguei o freela, tive programas ótimos no fds com a máfia (só faltou a Lari, que a essa hora deve estar torrando no sol jamaicano...) e as kids voltaram a ir pra escola. O mais lindo de tudo? A partir de julho elas passam o dia INTEIRO no camping, até o fim de agosto (palmas, produção!!).

A segunda coisa mais linda: semana que vem tô de férias, minha gente! Êêêêêê! Não vou pra nenhum lugar badalado porque não rolou um tempo hábil pra programar uma viagem longe de NJ, mas vou pra Massachusetts com a Gi e a gente vai se divertir muuuuito, aposto. Ainda mais que vamos pegar um show do Pearl Jam por lá, aí é só alegria, minha senhora!! :-) Se eu sumir do blog por um tempinho, pelo menos tenho uma boa desculpa, hehe.

Bom, por enquanto é o que temos. Vou deixar umas fotas pra ilustrar todo esse falatório. Beijo!

Ventinho chato no ferry pra ver a Estátua...

Com Ania, minha espanholita preferida, e Miss Liberty.

Reencontro da Máfia no Grasshopper

Pagando de nerds no Metropolitan.

Máfia só dá vexame parte I: Segura pra mim, mocinho??

Máfia só dá vexame parte II: Perrrdeu, preibói!

É, a parada foi feia aqui em Maplewood!


E agora, com vcs, o vídeo educativo "Como NÃO se portar em museus"

video

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Lerê, lerê...

E aí, gente bonita e gostosona da blogosfera? (nossa, que coisa mais bee).

Então, este post aqui é só pra falar o seguinte: nos próximos dias, vou ficar meio que off do blog por motivos de força maior (leia-se EXTRA). Quem vem pra cá sabe que, pra garantir uma graninha a mais além dos 159 e tralalá que a gente ganha por semana, tem que rebolar - no bom ou no mau sentido, aí vai de cada um.

Mas chega de enrolação: acontece que me mandaram um freela aí do Brasil e eu vou ter que me virar pra revisar vááárias páginas no meu tempo off - mas vai dar pra descolar um $$ muito bem-vindo e, de quebra, exercitar um pouquinho o cérebro, que eu tô precisando, hahaah. Quando a programação voltar ao normal, os senhores telespectadores vão saber. ;-)

Beijomeaddnofacebook (rá!)

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Foto-post

Não falei que eu voltava com fotos do feriado? Então.

Galeeura no churrasco de Memorial day

Com Line, guia de passeio, gente finíssima e ótima companhia, na Grand Central Station

Nossa Senhora de Guadalupe na St. Patrick's Cathedral

It's all we need. ;-)

terça-feira, 27 de maio de 2008

Ado, a-ado, é a dança do feriado

Não, eu não estou no Brasil pra ter sido atingida pela febre da dança (infame) do quadrado. Mas internet existe pra quê, né, minha gente? É por causa dela que essas tosqueiras chegam por aqui, e... anyway. Só usei a musiquinha porque rimava com feriado (e porque ela não sai da minha cabeça, pronto, confessei). Na última segunda - também conhecida como ontem - foi Memorial Day aqui nos EUA, ou seja, feriadão prolongado!

As meninas me chamaram pra ir pra Boston + Niagara Falls, mas eu sou chique e não quis farofar no buzão. :-P Hahaha, zoeira. Motivo verdadeiro da minha recusa: como eu estou querendo guardar uma $$ pra minha viagem de férias, que será em breve, resolvi dar uma moscada aqui em NJ mesmo. Como não consegui localizar ninguém no sábado, fiquei meio sem fazer nada: dei umas voltas aqui em Maplewood, chorei assistindo "O Poderoso Chefão" (tô ficando velha) e tomei muito, mas muuuuito sorvete. Um dia típico de mosca.

Domingo foi mais movimentado: a Dreza me chamou pra um churrasco na casa de uma au pair brasileira, aqui pertinho de Maplewood. Entrei de gaiato no navio mas me diverti pra caramba. Tinha caipirinha (ui, dilícia) e churrasco de verdade, com carne e pão de alho, não aquelas salsichas nojentas de churrasco yankee. Sem contar que os hosts da Marcela eram umas figuras, a host mother arriscava um português e a gente rachava o bico de ver o sotacão dela. Risada pouca é bobagem, hehehe. Saindo de lá, resolvi ir no cinema com a Ania, minha mais nova vizinha (também au pair, claro), assistir o novo Indiana Jones. Se alguém quiser uma recomendação, aqui vai a minha: o filme é muito bom, dá pra arrepiar ouvindo a trilha sonora no cinema depois de tantos anos, mas nada se compara à trilogia original. Tá, agora chega senão eu acabo contando o fim do filme!!

Ontem me encontrei a Line - que, aliás, é um amor de pessoa - em NYC. Demos umas boas andadas por lá: M&M's Store, Grand Central Station, Central Park e St. Patrick's Cathedral. O passeio rendeu váááárias risadas, comentários mto engraçados e bolhas bizarras nos pés da coitada da Line. Depois eu posto umas fotos aqui, mas posso garantir que foi engraçado.

Bom, em resumo (resumo? desse tamanho??) foi isso. A gente ganha pouco mas se diverte. Rá!!

Próximo capítulo: as coisas (bizarras, interessantes e nem tanto assim) que estou descobrindo aqui na América. Aguardemmmm...

segunda-feira, 19 de maio de 2008

De tudo um pouco

E ai, pessoas? Tudo certo?

Entao. O ultimo fim de semana foi supimpa, como diria o Seu Madruga. Nao teve balada ou algo parecido, teve sim uma coisa muuuuito melhor: Six Flags! (eeeee!). Pra quem nao conhece, o Six Flags eh um parque de diversao super famoso aqui nos EUA, que tem as montanhas-russas mais loucas que vcs puderem imaginar.

Cori, Andreza, Larissa e eu estavamos combinando desde quinta-feira pra ir ao parque no sabadao. Acontece que a previsao do tempo pro fim de semana nao era nadinha animadora: chuva, vento, tempo carregado. Na sexta-feira o clima estava tao, mas taaaaaao depressivo, com uma chuva taaaao ferrada, que se eu tivesse um cd dos Smiths e uma gilete eu cortava os pulsos na hora. Quando a gente ja estava pensando em transferir o passeio pra outro dia, eis que surge um sol ma-ra-vi-lho-so no sabado de manha. Sol + parque de diversao = adrenalina na veia, sorvete, coluna quebrada, bochechas vermelhas e risadas, muitas risadas. :-D Foi bom? Imagina!!

O engracado foi que ontem, domingo, a chuva resolveu aparecer de verdade. Nao pensei duas vezes e adotei o famoso combo de tiozinho: cobertas e controle remoto. Assisti os 3 Indiana Jones mais o documentario com o "behind the scenes" da trilogia. Agora ja to pronta pra estreia do filme novo na semana que vem, ha!

Comentario importante: hoje completo um mes aqui na gringa. Eeee! Soltem os fogos de artificio! O que tenho a dizer eh que passou muito, mas muito rapido, e estou tentando ocupar bem o meu tempo - estudando, passeando e me divertindo como posso - pra nao ficar pensando besteira. Ta valendo MUITO a pena, e espero poder falar isso dos meus proximos 11 meses aqui.

Bom, eh isso, pe-pessoal!

Bjoenaomeligaquetoquebrada.

Encaramos a Kingda Ka, a mais alta (139 metros) e rapida (205 km/h em 3,5 segundos) montanha-russa do mundo, por duas vezes. Essa eh soh pra macho, viu?

Las minas e El Toro, o brinquedinho de madeira que levou a minha voz embora.

sábado, 10 de maio de 2008

Mare boa

E ai, gente querida do mundo internetico... como diria o ditado, depois da tempestade sempre vem a bonanca. Melhor um cachorro amigo do que um amigo cachorro, quem fala muito dah bom dia a cavalo, agua mole em pedra dura... ok, vcs entenderam.

Depois de passar uns dias absurdamente dificeis por conta das issues que tive com o meu host boy, agora parece que as coisas estao melhorando. Tudo bem, o garoto esta me testando, eh o que todo mundo diz e nao tenho duvida disso. Mas quem acompanhou a novela sabe que o buraco eh mais embaixo, entao o que tenho a dizer no momento eh que, depois de uma conversa seria com a mae dele e da aplicacao de um metodo mega super nanny, parece que as coisas estao se encaminhando melhor. Ontem eu e as criancas passamos a tarde jogando Star Wars Monopoly (viciei nesse negocio), depois ligamos o radio no volume maximo na cozinha e fomos fazer cookies. ;-D

Boa noticia: fiz matricula no college (comeco em junho). Eeeeeeh! Depois de muuuuito procurar, consegui achar um curso de literatura na unica universidade que nao bateu a porta na minha cara por eu nao ser nativa. E em breve comeco as aulas de ESL (nivel pos avancado, ui!) em Summit, num lugar que tem um preco tao camarada que eu mesma vou pagar do meu bolso. Dois cursos ao mesmo tempo? Eh o meu lado nerd falando mais alto, hehe.

Outra boa noticia: pelo menos um show eu vou conseguir ver neste ano aqui nos EUA. E nao eh qualquer show nao, minha senhora: eh a turne de Natal da Brian Setzer Orchestra, do vocalista do Stray Cats, uma das poucas bandas que moram no meu coracaozinho e nao pagam aluguel. Eu quero ir no de Atlantic City, se alguem se interessar, me avisa que eu to a procura de companhia pro show! :-)

O fim de semana comecou bem, com baladinha tipicamente americana (com horario pra acabar: 2 horas da manha!), encontro com as Amizades e um copinho generoso de Guinness. Tomara que a mare boa continue por muuuuuito tempo...

Good things come for those who wait

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Nosso nome eh patifaria

Depois de um tempo sumida, sem dar noticias, na correria pra aguentar o pique das kids, resolvi voltar ao blog em grande estilo. Tcharan!

O ultimo fim de semana foi um dos mais engracados que jah tive. E tudo por conta das amizades Andreza, Cori e Larissa. Sabado foi dia de Cinco de Mayo party na casa da Cori, o que rendeu quatro barrigas pra lah de cheias de quitutes merricanos e margaritas, uma visita surreal ao basement ultradescolado, varias fotos impublicaveis e uma soneca basica enquanto tentavamos assistir a "Nunca fui beijada". :-D

Ontem foi dia de conhecer um pouquinho de NYC (pelo menos pra mim, que sou novata no assunto, pq as meninas jah sao veias de guerra). Visita ao Guggenheim Museum e, de quebra, passeio no Central Park. Me senti num episodio de Friends, ra!

Bom, num resumao bem rapido, foi isso. Adorei demais conhecer as meninas e armar varias confusoes do barulho (comentario master Sessao da Tarde) com elas. O bom eh saber que a patifaria soh tah comecando... eba!

Agora vou deixar vcs com a melhor fota do fim de semana, intitulada "Quem ve, pensa"

sexta-feira, 25 de abril de 2008

First impressions of USA :-)

Noticias diretamente de Maplewood, NJ.

Entao, pessoas, nesses primeiros 5 dias aqui nos EUA, posso dizer que a minha primeira impressao eh otima. Claro, sempre tem alguma coisa que vc olha e fala "uadarrel??", mas tudo bem. Geral sobre os 4 dias de orientacao: nao tao chato qto eu pensava, dei mta risada com aquela tiazinha palestrante. Logico, a parte do CPR foi um porre - uma pena, pq soh de ouvir que vc tem um treinamento (mesmo que seja tabajara) em CPR a gringaiada jah fica toda saliente.

O encontro com a host family foi algo mto peculiar, hehe. Estava eu esperando com mais 2 meninas quando, meia hora antes do combinado, surgem meu host parent e minha menina. Sabem aquele lance de nao saber como vc cumprimenta sua host family? Pois eu gritei um "Hiii!!" quando vi eles, jah sai beijando e abracando a guria (que tinha um pacote de doces pra mim, so cute) e dei um arroxo no host parent, haha. Who cares?? Aih levamos minha bagagem pro carro, eu toda feliz e saltitante, qdo percebo que esqueci minha mochila no aeroporto. Star sticker pra mim! Pedi milhoes de desculpas pro HP e ele, todo simpatico, disse nevermind e me levou de volta pro terminal onde eu estava esperando. Consegui recuperar minha mochila mas eu queria ter um buraco pra enfiar minha cabeca, haha. Bela apresentacao pra uma pessoa que vai passar um ano cuidando dos filhos do cara. :-D

Enfim, cheguei na casa da familia ontem a tarde, entao ainda estamos em lua de mel, hehehe. :-)Os pais sao mto bacanas, muito atenciosos (e nerds - adoro!) e as criancas sao umas fofas - mas teimosas, elas jah demonstraram isso. Crianca eh igual em qualquer parte do mundo, shit... Primeiras impressoes: a menina nao sai do meu lado, fala que meu cabelo eh bonito, que minha camiseta eh bonita, fica literalmente grudada em mim (o que fez ela ganhar de mim o apelido de little coala, ha!) e eh toda querendo ser mocinha, apesar de soh ter 8 anos. O menino eh todo relacoes publicas, adora falar, explicar tudo e ganhou de mim no Monopoly versao Star Wars - sim, eles aaaamam Star Wars! :-D

Quanto a cidade, eh pequena mas mto bonitinha - o primeiro lugar publico que visitei foi a biblioteca, por que sera? hahaha. Ainda preciso olhar melhor as ruas pra saber onde ir, pra mim eh tudo igual. Quanto ao meu ingles, to ateh me saindo bem apesar de ele ter dado uma travada basica - entendo tudo, ateh o que as meninas sul-africanas que estavam no treinamento falavam, mas ainda nao consegui soltar a lingua. Vai ver eh pq eu nao fiz Fisk, duh! :-P Mas estou conseguindo me comunicar, apesar de ainda nao ter mostrado todo o meu graaaande potencial, hahaha. E eu to aqui pra aprender, cazzo! Por isso, sem neuras, sem neuras. ;-) (meu, essa conversa de "soltar a lingua" e "grande potencial" ficou meio obscena, mas abafa, hahaha).

Bom, agora eh hora de ir, macacada. Beijos pra todas as meninas que me desejaram boa viagem e deram as boas-vindas e logo eu posto as fotas, prometo!

Mari.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Cheguei!!

E aeeee, gente boa? Tudo bem?

Primeiro post diretamente dos USA pra dizer que cheguei aqui sa e salva. :-) A viagem foi super cansativa, mas valeu a pena, o Aeroporto de Chicago e gigaaaante e o La guardia, de NY, nao conseguimos ver direito, pq foi super corrido. Mas ainda vou ter bastante tempo pra explorar a Big Apple e nao pagar os U$60 que a tiazinha do treinamento quer cobrar pelo tour, bleeeh.

O legal eh que por enquanto estou entendendo tudo o que a gringaiada esta falando e me fazendo entender tb. Isso eh muuuuito bom!! (mas ainda preciso melhorar bastante meu ingles tabajara, hehehe).

Detalhes bizarros e interessantes:
- Teve abobrinha na janta do aviao. Tipo, abobrinha, quem acha graca em comer aquilo a 18000 feet de altitude, minha gente?
- A hora em que eu cheguei em NY eu coloquei "City of blinding lights", do U2, no Mp3, e esse foi o primeiro e unico momento da viagem que eu chorei. *vergonha*

Acho que por enquanto eh isso... espero que o treinamento valha a pena e que as minhas companheiras de quarto sejam bacanas e nao mto cozidonas, hehehe. E eu nao vejo a hora de ir pra NJ, conhecer a family e arranjar um computador que me deixe escrever com acento. ;-)

Bom, por enquanto eh o que temos, galera!

Kisses for all,

Mari.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

1, 2, 3... launch!

E aí, molecada? Preparados pro último post escrito em terras brasileiras?

Decidi escrever o último post hoje pq amanhã e depois quero aproveitar todo o tempo possível com as pessoas queridas (além de resolver os últimos pepinos por aqui). Já fiz muito disso nas últimas semanas, mas amanhã e depois são os 2 últimos dias, gente, gimme a break!

Entonces... bora fazer resumão da última semana aqui no Brasil. Tirei minha habilitação internacional (um parto, mas consegui!), fiz via-sacra na casa das tias e primos, passei pela podóloga, pela limpeza de pele e pela cabelereira (que me deixou com um corte deveras anos 80, mas ok) e hoje, na sexta, fiz a versão de baixo orçamento do "Saindo com a sogra". Quarta-feira teve jantarzão aqui em casa com a caravana da alegria dos parentes do meu namorado, uma delícia! E também teve a arrumação de malas, o que merece um parágrafo à parte.

Não sei se eu já contei, mas eu tenho uma irmã que já foi au pair. E pra que serve uma irmã que já foi au pair, minha gente? Pra ser uma ótima referência na carta pra host family, pra dar dicas sobre o que levar, sobre o que fazer com as kids, como dirigir na gringa, como comer junk food e não engordar (muito)... e pra fazer as malas, claro! E eu, que sou a maior zé ruela em arrumação de malas (dá um desconto, gente, até hoje o mais longe que fui foi Porto Seguro!), contei com os serviços da maior personal arrumadora de malas EVER. Ela fez absolutamente tudo o que eu queria levar - e que, segundo a minha primeira tentativa de arrumação, ficou metade pra fora da mala - caber certinho dentro de uma mala com menos de 32kg. Uma salva de palmas, público!!

Umas dicas da minha case wizard preferida pra fazer tudo o que vc quer levar caber em uma mala só:
- Aproveitar todos os espacinhos possíveis e imagináveis da sua mala. Sabe aqueles espaços pequenos que ficam no fundo da mala, no lugar onde tem a canaleta que passa a alça? Então, encha de roupas que não amassam e boa sorte!
- Em vez de levar uma fronha cheeeia de calcinhas, meias e sutiãs, como a trrrrouxa aqui ia fazer, encha os sapatos e tênis (limpos, please!) de meias e calcinhas. Isso economiza um espaço do car$$lho.
- Tente comprar a versão mini de todos os produtos de perfumaria que você quiser levar. Por exemplo, shampoos e condicionadores de até 200ml (o Seda Teens é um bom exemplo), amostrinhas de cremes, etc, pra não ocupar espaço demais na bagagem despachada. Ah, e se vc for meio cabeção, não esqueça de enrolar tudo isso em sacos plásticos antes de colocar na nécessaire, pra não melecar as roupas caso estoure.
- Depois que a mala já estiver quase cheia, coloque ela de pé, pras roupas darem uma "assentada". Vai sobrar um espacinho bom pra colocar vários outros itens, vai por mim.

Acho que é isso. Tem umas coisas meio bóbvias, mas que às vezes a gente deixa passar. ;-)

Então agora, geral, chega de enrolação. Já que esse é o último post antes de eu ir, queria agradecer a toooodas as meninas que deixaram good vibes nos comentários e no meu e-mail. Fazer esse blog foi uma maneira ótima de encontrar meninas que, mesmo eu não conhecendo pessoalmente, acompanharam o meu processo e me permitiram acompanhar o delas. É MUITO bom poder contar com pessoas que, mesmo quase desconhecidas, têm paciência e simpatia suficientes pra tirar dúvidas, compartilhar as conquistas, os momentos de ansiedade, de neura, etc. Anna, Line, Cori, Dreza, Gi, Mari Patrocínio, Gabs, Má, Marina, Fernanda, Hanna: é um prazer enorme conhecer todas vcs e de algum modo fazer parte de suas vidas, e quero muito que a gente continue se comunicando. Mesmo que talvez eu não poste com AQUELA freqüência, mas vou continuar escrevendo de lá pra mostrar como é que eu vou me virar na terra do tio Sam, pra contar sobre as pessoas e os lugares que vou conhecer e relatar as experiências que, boas ou ruins, com certeza vão enriquecer demais a minha vida. E podem deixar que, depois de comprar uma megasuper câmera por lá, vou encher esse blog de foto. Êêêê!

Agora chega, que isso aqui tá parecendo discurso de formatura e daqui a pouco eu vou ter q começar a distribuir lencinhos. Chuinf!

Bom, povo, é o que temos no momento. Boa sorte e boa viagem pra mim, e tudo de melhor pra todas as minhas "colegas de trabalho", hahaha.

Bjoqueeutôcaansiedade!

Mari.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Ai, ai, ai, ai, tá chegando a hora...

E tá chegando meeeeesmo! Falta menos de uma semana pro embarque. E como é que eu estou? Com saudade? Nervosa? Ansiosa? Nada disso, pequeno padawan. O que eu respondi pras 987347 pessoas que me perguntaram isso durante as últimas semanas foi: "Tô com tanta coisa pra correr atrás que tô indo pelo fluxo, não tô nervosa, ansiosa, nem nada". E é a mais pura verdade! Já passei duas semanas ótimas (e corridas) na casa dos meus pais, em Maringá, já me despedi deles e da minha irmã sem choro, já fiz a despedida no Outback com a minha meia dúzia de brothers. E eu que achava que ia demorar um zilhão de anos pra isso acontecer.

Pra vcs terem uma idéia, só caiu a ficha que tá tão próximo quando a minha host disse que ia receber uma moça da APIA pra falar com eles sobre a minha chegada. Sim, eu ignorei completamente a proximidade do dia 10 ao dia 20 no calendário, bléééé.

Uma das coisas que eu já risquei da minha listinha de do's é a compra de presentes pra host family. E como eu sou exibida (ui!!), vou colocar aqui o que eles vão ganhar, mas só se eles se comportarem direitinho durante o ano.

Pra host mother: havaianas e um kit de cosméticos brasileiros (ótima pedida da Arte dos Aromas - não, não tô recebendo nada pelo merchan, é que os produtos são ótimos, cheirosíssimos, têm a cara do Brasil, são sustentáveis e com um precinho super camarada!), ímas de geladeira de São Paulo.

Pro host father: havaianas e um kit caipirinha (sem a pinga, que não tô a fim de treta na imigração e Newark é logo ali. Rá!).

Pra menina: bolsinha de crochê MMF (minha mãe que fez), lápis de cor das Menininhas, apontador das Menininhas, borracha da Mônica, cartelas de adesivos, caneca térmica da Mônica.

Pro menino: lápis de cor do Ben 10 (não vendem mais linhas de papelaria do Senninha e do Sítio do Picapau, cazzo!), apontador do Ben 10, borracha do Cebolinha, cartelas de adesivos, caneca térmica do Cebolinha.

Pras 2 kids: jogo de tabuleiro da Turma da Mônica (depois de rodar e rodar - sem sucesso - pra encontrar camisestas infantis do Brasil, achei melhor comprar o jogo. Vai dar até pra ensinar um bocadinho de português com ele!!) e aventaizinhos coloridos pras aulas de arte, que eles adoram.

Pra atual nanny: shampoo e condicionador de guaraná da Mundo Verde.

Bom, é isso, molecada! Agora, bora arrumar malas (meninas de NJ, se puderem me dar uma dica de como tá o clima por aí, vai ser suuuper useful), tirar a carteira internacional e cantar a valsa da despedida. Lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lááááá...

sexta-feira, 4 de abril de 2008

O dia em que a Au pair virou DJ

E aí, garoutas e garoutos? Como é que vai a vida? Por aqui vai meio parada, só no sossego. E aproveitando a maré tranqüila, inventei de gravar 2 cds pra levar pra minha host family. Um deles pra mostrar um bocadinho de música brasileira pros meus hosts, e o outro pra fazer o tão falado catecismo rock and roll com as minhas kids.

Aí vão as playlists - com algumas músicas comentadas:

CD de música brasileira
1- Ivete Sangalo - País tropical (Apesar de eu não ser mto simpatizante da dona Ivete - aquela cara de quem tá feliz o tempo todo me dá nos nervos - não tem como falar em música brasileira atualmente sem pensar na baiana hyper e de zóio arregalado, não é não??).
2- Skank - É uma partida de futebol
3- Fama - Qui nem jiló (Sim, eu quero mostrar forró pra gringaiada. Não sou fã do estilo, mas essa música do Gonzagão é a que mais simpatizo no gênero. Como o Limewire não me deixou baixar a versão original, recorri à versão daquele programa global xumbrega chamado Fama. Alguém além de mim assistia aquilo??).
4- Gilberto Gil - Esperando na janela
5- Gilberto Gil - A novidade
6- Ira! - Núcleo base (Ok, enfim, algum rock brazuca pra mostrar na gringa! Esse clássico do Ira! é hino, tem uma letra ótima e um título que não tem absolutamente nada a ver com o resto da música, então ganha vááários pontos comigo).
7- Marcelo D2 - Qualé
8- Marisa Monte - Ensaboa
9- Marisa Monte - Magamalabares (Cara, eu adoro a dona Marisa Monte de paixão. Pra escolher uma música dela - porque "Ensaboa" é ótima, mas não é originalmente da Marisa - foi difícil, mas optei por essa que tem uns troços surreais na letra, como "Magamalabares, aquamarã, um parquinho, oxaiê" e um ritmo bem brasileiro).
10- Demônios da Garoa - Samba do Arnesto (E chegamos na parte do samba! E samba de verdade, não aquele pagode xexelento que toca em churrasco de firma. Demônios da Garoa tem a cara de São Paulo e é formada por uma turma de tiozinhos fofos que estão na ativa há uns 50 anos. Tem motivo melhor pra eu escolher duas músicas deles pra levar pros US and A?).
11- Demônios da Garoa - Trem das Onze
12- Zeca Baleiro e Zeca Pagodinho - Samba do Approach (Esse é outro sambinha super simpático, que ainda por cima tem uma letra ótima com uma porção de estrangeirismos. A gringaiada vai ficar se achando...).
13- Nara Leão e Chico Buarque - João e Maria
14- Almir Sater - Amanheceu, peguei a viola (Eu fui criada ouvindo música sertaneja, então um exemplar do gênero não podia ficar de fora. Mas como eu não queria apelar pra um Cézar Menotti e Fabiano da vida, escolhi o Almir Sater, que tem uma voz linda e ainda por cima é a versão brasileira do Van Helsing).
15- Almir Sater - Tocando em frente
16- Mutantes - Panis et Circensis (Reza a lenda que Mutantes é uma das bandas brasileiras mais aclamadas na gringa. Se é verdade ou não, eu não faço idéia, mas tô levando uma das melhores músicas do trio regado a LSD e rock and roll).
17- Roberto Carlos - Eu quero ter um milhão de amigos
18- Skank - Balada do amor inabalável
19- Titãs - Marwin
20- Tribalistas - Já sei namorar
21- Zeca Baleiro - Heavy metal do Senhor ("O cara mais underground que eu conheço é o diaboooo..." - cantar essa letra sem levar um puxão de orelha da minha mãe ou um olhar de censura de quem estiver por perto vai ser um alívio. Afinal, os yankees não vão entender piciroca nenhuma, e a levada dessa música é tão boa que eu nem preciso ficar explicando letra, preciso?).

CD para as kids
1- Beatles - Twist and Shout
2- ACDC - School of Rock (Já falei que a molecada vai ter como tarefa de casa comigo assistir a "Escola de Rock", não? E qual música é melhor pra iniciar o meu catecismo do que o tema do filme? 'Cause rock got no reason, rock got no rhyme, babe!).
3- Jackson Five - ABC
4- Beach Boys - Surfin' USA
5- Sandy e Jr. - As quatro estações (Tá certo que o CD deveria ser basicamente com rock songs, mas decidi levar também algumas músicas que a molecada brasileira gosta - tudo bem que agora eles tão mais pra merdas como a "Dança do Créu", mas abafa. E já que a minha menina adora High School Musical, também vai gostar de Sandy e Jr. Mas só em doses homeopáticas, que não quero ver a menina virando emo por minha causa!).
6- Stray Cats - Rock this town (Stray Cats é uma banda que tem um cantinho especial no meu coração - e saber que o meu menino adoooora "Rock this town" me deixou com o orgulho super mega master!).
7- The Foundations - Build me up buttercup
8- Os Saltimbancos - Bicharia
9- Jerry Lee Lewis & Elvis Presley - Sweet Little 16
10- Sandy e Jr. - Vamo Pulá
11- Xuxa - Festa no Interior
12- Johnny Cash - Get Rhythm (Todas as minhas músicas favoritas do J. Cash falam sobre prisão, crime e drogas, uma temática suuuper educativa pra kids. Mas eu não queria deixar de levar alguma música de um dos meus cantores favoritos - e Get Rhythm, além de ter uma letra menos underground, dá pra chacoalhar bem os esqueletinhos yankees).
13- Ramones - Spider Man
14- Dr. Demento - Monster Mash (Alguém aí conhece essa música? Então corre, baixa agora! O ritmo - 50s, claro - é irresistível e a música fica melhor ainda acompanhada da letra, que é muuuuuito divertida e fala sobre uma festa de monstros).
15- Skank - É uma partida de futebol
16- Ramones - Do you wanna dance? (Pra extravasar os momentos hyper da molecada, Ramones na veia!).
17- Raul Seixas - Pluct Plact Zum
18- Ramones - What a Wonderful World
19- Xuxa -Tindolelê (Porque eu não sei vcs, mas eu acho muuuuuito engraçado imaginar as kids tentando acompanhar a dancinha - e a letra - da parte do "nheco, nheco, xique, xique, balancê").
20- Beatles - Yellow Submarine (Depois de gastar energia com porradas do Ramones e de crááássicos do rock velharia, as três últimas musiquinhas são singelas e fofas, pra acalmar os ânimos da molecada - ou não :-D).
21- Vanessa da Mata - História de uma gata
22- Toquinho - Aquarela

E aí, tô bem de seleção musical ou nem??

sexta-feira, 28 de março de 2008

28 de marsso - Dia do Revizor

Oi, pessoas! Depois de um longo inverno, ó eu aqui traveiz. :-)

Nenhuma novidade no processo do Au pair. No momento, só curtindo o colinho da mamãe, as visitas aos velhos amigos e correndo atrás de pequenas coisinhas como compra de calças de moletom e contas bancárias. Aquele tipo de coisa básica que fica pra última hora.

E como não tem nada de novo e o negócio agora é só esperar a data do embarque, aí vai um texto ótimo em comemoração ao dia do revisor. Deixa eu explicar: a futura Au pair aqui trabalha há uns 3 anos como revisora e preparadora de textos. Sim, eu sou aquela chata que aponta os erros nos textos dos outros, tenta melhorar a escrita de quem escreve mal e achar chifre em cabeça de cavalo, ou seja, erro no texto de quem escreve bem. Hohoho. Essa é a profissão que escolhi, que me escolheu e que eu simplesmente ADORO – e que pretendo exercer junto à função de tradutora quando eu voltar dos States com o inglês tinindo.

Agora, chega de enrolação, né? Ao texto!

Quem mexeu no meu texto?!
Gabriel Perissé


No dia 28 de março comemoramos o Dia do Revisor.
Tal como o goleiro no futebol, o revisor, na editora, é aquele que evita o pior (o gol adversário, o erro de digitação, a escorregada gramatical, a incoerência que ninguém percebeu etc.).
No entanto, é também o revisor quem mais sofre com as derrotas de um texto. Ele é o último homem (ou a última mulher) a ler o livro antes da fase de impressão gráfica, quando não há retorno...
Monteiro Lobato dizia que a tarefa do revisor era das mais ingratas. Que o erro ou a falha se escondiam durante o processo de confecção do livro para, depois de tudo pronto, aparecer na primeira página aberta, como um saci danado, pulando, debochando do revisor.
O revisor é um caçador de distrações. Uma de suas maiores alegrias (em que há uma pitada de vaidade) é encontrar deslizes do autor, perceber as gralhas que ninguém viu antes, corrigir detalhes que iam passar despercebidos.
O revisor revisa com amor.
O revisor sai de manhã, caneta em punho, em busca de verbos mal conjugados e vírgulas fugitivas.
O revisor revisa com dor.
O revisor chega em casa, à noite, com o coração cheio de parágrafos amputados e tópicos frasais remendados.
O revisor revisa com ardor.
O revisor enfrenta moinhos de vento que de fato moem o vento de palavras que o vento não leva.
Madrugadas insones, manhãs e tardes quentes, noites chuvosas, o revisor vai pulando as linhas e entrelinhas do texto em busca das ciladas armadas sabe Deus por quem.
O revisor entrega o seu trabalho bem suado e abençoado. Recebe as moedas de prata que são, na verdade, moedas de ouro. Recolhe seus instrumentos de caça, enxuga o rosto, sorri. Sabendo que o autor poderá reclamar de suas intervenções, que poderá referir-se ao revisor, gritando: quem mexeu no meu texto?!
O mérito da frase perfeita é do autor.
O crime do erro cometido será do revisor.
O revisor, porém, não se considera um injustiçado. O revisor vitimista abandonou a profissão no primeiro dia. O verdadeiro revisor, como o goleiro no futebol, sabe que nasceu para ficar ali, na pior posição de todas, para agarrar centenas de bolas difíceis e, talvez, deixar passar a mais fácil de todas.
Oços do ofíssio.

terça-feira, 18 de março de 2008

Das antigas...

Como as notícias estão num ritmo meio devagar e eu não quero deixar o blog criando mato, lá vai um post cheio de teia de aranha. :-D Há muito tempo atrás, numa galáxia muuuito distante, eu tinha uma coluna semanal num jornal de Maringá-PR. E aí vai uma das pérolas...

De capa, páginas e alma

Eu surgi há muito, muito tempo. Nas origens, era manuscrito e limitado aos círculos de eruditos. Mas quando inventaram aquela máquina chamada prensa, aí sim, eu fiquei popular. E gostei disso, já que não tenho o mínimo preconceito. Quando estava entre os nobres e o clero, versava apenas sobre doutrinas monárquicas e as leis de Deus. Nas penas de pensadores, revolucionários e artistas, abriguei clássicos e manifestos, e cheguei até a parar nas mãos da Inquisição e da Censura.

Hoje em dia, me tornei um veículo bastante democrático. Fico orgulhoso em ter servido de meio para os escritos de Shakespeare, Clarice Lispector e Fernando Pessoa. Por minha causa, grandes gênios puderam eternizar seus pensamentos e sua imaginação para a humanidade, assim como teóricos deixaram ensinamentos aos futuros aprendizes.

Por outro lado, nas minhas páginas também imprimiram as confissões de Márcia Goldschmidt e Pedro de Lara. Vivem criticando meus companheiros que propagam idéias de auto-ajuda e dicas preciosas como “Se você não tem bunda, use laços no cabelo”. Tenham paciência com meus colegas, gente. Eles podem ser a primeira oportunidade que tantas pessoas têm de entrar em contato conosco – mas torço para que esses leitores logo se liguem da existência de nossos amigos mais nobres.

Fico orgulhoso quando olhos infantis pousam sobre mim. Encanto os pequenos com histórias de quem mostra que a graça de ser criança é ter imaginação de sobra, como bem fizeram Monteiro Lobato e Ziraldo. Na estante dos meus exemplares infantis, não recebo visitas apenas dos pequenos: vez ou outra, minhas páginas são molhadas por tímidas lágrimas caídas do rosto de algum adulto nostálgico.

Muitos me culpam de ser chato, dar sono, e por vezes me usam como sonífero, mesmo. Não os culpo, afinal, não sou eu quem escolhe o que vai ser impresso em mim. Mas nada me dá mais alegria do que ver o monte de páginas se acomodar na mão esquerda, deixando o da mão direita bem fininho, sinal do fim da leitura. Como gosto daqueles leitores que nem ousam olhar para os lados, tamanha a vontade de descobrir o que está impresso em meus trechos finais.


Vivem dizendo que a minha extinção está próxima, que a internet vai tomar conta de tudo, que eu vou é virar peça de museu. Eu, contudo, acredito naqueles que não têm preguiça de divulgar os meus milhares de nomes por aí, seja em bibliotecas, sebos ou me dando de presente aos amigos. Sou tão importante que ganhei até um dia especial, sabiam? Marquem aí no calendário, para comemorar no próximo mês: 23 de abril, Dia Internacional do Livro.

quarta-feira, 12 de março de 2008

O dilema musical de uma Au Pair

Depois de conseguir o visto, tirei um peso de 200kg das minhas costas, putz! Agora, o negócio é esperar o embarque (que vai ser em abril), fazer vááárias despedidas – a do trabalho foi ontem – e arrumar as malas. E, nesse intervalo, falar com a host family e manter o contato.

Falando nisso, esta semana recebi um pacote da minha family. Fooooofo até dizer chega. :-) As crianças fizeram um álbum-livro chamado "All about me", com cartinhas escritas por eles, fotos, fotos e mais fotos. Um cartão mto bonitinho dos parents e um CD que a Lisa fez com as músicas que as kids gostam. E aí, vcs sabem, né: quando vc é uma criança de 6, 7 anos, não tem um gosto musical lá muito bem definido (e que faça vc se orgulhar anos depois). Daí o CD ser tomado por canções do High School Musical, Hannah Montana, Jonas Brothers, ou seja, os ídolos-teen-Disney do momento. E olha, vou contar pra vcs: de tão apaixonada que eu fiquei por essas crianças, eu, que tenho no meu olimpo musical só classicões do Rock, agora ando pra lá e pra cá com esse CD de pop grudento com um sorrisão no rosto. Futura Au pair é besta, mesmo. :-D

O bom é que o Adam (o host) já disse que as crianças tb gostam de rock, o que me deixou mais tranqüila pra fazer a minha "catequese" musical (e se as kids ainda não viram "Escola do Rock", comigo vão assistir, sim. Com a tia Mari, esse filme vai ser obrigatório!). Já que a Jules me perguntou se eu gosto de cantar e dançar, eu posso fazer a farra que for com High School Musical e Hanna Montana (e eu já ando até aprendendo algumas músicas – minha preferida é "Year 3000", do Jonas Brothers, hehehe), mas tb vou gravar um CD com alguns clássicos animadinhos de rockabilly, do Ramones e do Stray Cats. Se eles gostarem e mexerem as bundinhas branquelas com as músicas que eu levar, meu coração vai inflar de orgulho!

E vamo que vamo!

Punks de dentes podres de um lado, patricinhas e mauricinhos Disney Channel de outro. É quase igual, gente!